O SINDHOTELEIROS-RN, vê neste ato do dia 15/03/2017 uma forma da população ir para as ruas reivindicar seus direitos, está mais do que na hora de unirmos força contra os desmandos desse governo que não nos representa. 

Os sindicatos, as centrais, as federações e confederações, é que fazem esse tipo movimento para defender os direitos dos trabalhadores e trabalhadoras desse País, estes sim estão do lado dos trabalhadores(as) lutando.

É importante que todos tenham esta consciência, para que possamos lutar e não retroceder nossos direitos referente a reforma da previdência e também a reforma trabalhista, isso é uma conquista do trabalhador(a). A população tem sim que ir para as ruas reivindicar e não deixar que esse governo golpista tire nossos direitos.

PALAVRAS DO PRESIDENTE SANDOVAL LOPES.

#FORATEMER










O SINDHOTELEIROS -RN É TOTALMENTE CONTRA  A QUALQUER RETIRADA DE DIREITOS QUE SEJA NA PREVIDÊNCIA, NA EDUCAÇÃO OU TRABALHISTA.
#FORATEMER

#FORAGOVERNOGOLPISTA




FONTE: NOVA ESCOLA

As histórias que remetem à criação do Dia Internacional da Mulher alimentam o imaginário de que a data teria surgido a partir de um incêndio em uma fábrica têxtil de Nova York em 1911, quando cerca de 130 operárias morreram carbonizadas. Sem dúvida, o incidente ocorrido em 25 de março daquele ano marcou a trajetória das lutas feministas ao longo do século 20, mas os eventos que levaram à criação da data são bem anteriores a este acontecimento. 

Desde o final do século 19, organizações femininas oriundas de movimentos operários protestavam em vários países da Europa e nos Estados Unidos. As jornadas de trabalho de aproximadamente 15 horas diárias e os salários medíocres introduzidos pela Revolução Industrial levaram as mulheres a greves para reivindicar melhores condições de trabalho e o fim do trabalho infantil, comum nas fábricas durante o período. 

O primeiro Dia Nacional da Mulher foi celebrado em maio de 1908 nos Estados Unidos, quando cerca de 1500 mulheres aderiram a uma manifestação em prol da igualdade econômica e política no país. No ano seguinte, o Partido Socialista dos EUA oficializou a data como sendo 28 de fevereiro, com um protesto que reuniu mais de 3 mil pessoas no centro de Nova York e culminou, em novembro de 1909, em uma longa greve têxtil que fechou quase 500 fábricas americanas.

Em 1910, durante a II Conferência Internacional de Mulheres Socialistas na Dinamarca, uma resolução para a criação de uma data anual para a celebração dos direitos da mulher foi aprovada por mais de cem representantes de 17 países. O objetivo era honrar as lutas femininas e, assim, obter suporte para instituir o sufrágio universal em diversas nações. 

Com a Primeira Guerra Mundial (1914-1918) eclodiram ainda mais protestos em todo o mundo. Mas foi em 8 de março de 1917 (23 de fevereiro no calendário Juliano, adotado pela Rússia até então), quando aproximadamente 90 mil operárias manifestaram-se contra o Czar Nicolau II, as más condições de trabalho, a fome e a participação russa na guerra - em um protesto conhecido como "Pão e Paz" - que a data consagrou-se, embora tenha sido oficializada como Dia Internacional da Mulher, apenas em 1921.

Somente mais de 20 anos depois, em 1945, a Organização das Nações Unidas (ONU) assinou o primeiro acordo internacional que afirmava princípios de igualdade entre homens e mulheres. Nos anos 1960, o movimento feminista ganhou corpo, em 1975 comemorou-se oficialmente o Ano Internacional da Mulher e em 1977 o "8 de março" foi reconhecido oficialmente pelas Nações Unidas.

"O 8 de março deve ser visto como momento de mobilização para a conquista de direitos e para discutir as discriminações e violências morais, físicas e sexuais ainda sofridas pelas mulheres, impedindo que retrocessos ameacem o que já foi alcançado em diversos países", explica a professora Maria Célia Orlato Selem, mestre em Estudos Feministas pela Universidade de Brasília e doutoranda em História Cultural pela Universidade de Campinas (Unicamp).

No Brasil, as movimentações em prol dos direitos da mulher surgiram em meio aos grupos anarquistas do início do século 20, que buscavam, assim como nos demais países, melhores condições de trabalho e qualidade de vida. A luta feminina ganhou força com o movimento das sufragistas, nas décadas de 1920 e 30, que conseguiram o direito ao voto em 1932, na Constituição promulgada por Getúlio Vargas. A partir dos anos 1970 emergiram no país organizações que passaram a incluir na pauta das discussões a igualdade entre os gêneros, a sexualidade e a saúde da mulher. Em 1982, o feminismo passou a manter um diálogo importante com o Estado, com a criação do Conselho Estadual da Condição Feminina em São Paulo, e em 1985, com o aparecimento da primeira Delegacia Especializada da Mulher.     

EDITAL DE CONVOCAÇÃO PARA ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA


O SINDICATO DOS EMPREGADOS NO COMÉRCIO HOTELEIRO E SIMILARES DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, entidade sindical de primeiro grau, com registro sindical junto ao Ministério do Trabalho e Emprego, inscrito no CNPJ sob n.º 08.030.033/0001-96, por intermédio do seu presidente Sandoval Lopes, no uso de suas atribuições estatutárias e consoante disposições legais, convoca todos os trabalhadores que exercem as funções de cumim, auxiliar de cozinha, auxiliar de lavanderia, passador, garçom, carregador, roupeiro, lavadeiro, copeiro, despenseiro, camareiro(a), cozinheiro,  auxiliar de nutrição, merendeiro e responsável por reparos de rouparia, nas empresas JMT LOCAÇÃO DE MÃO DE OBRA E SERVIÇOS LTDA, CRIART SERVIÇOS DE TERCEIRIZAÇÃO DE MÃO OBRA LTDA, JAGUARI LTDA,  PRESERVICE LTDA, SERVITE LTDA e SAFE LOCAÇÃO DE MÃO DE OBRA E SERVIÇOS LTDA – ME, lotados em contratos de prestação de serviços junto ao Governo Federal, Governo do Estado do RN, Prefeitura Municipal do Natal, para participarem da assembléia geral extraordinária a ser realizada na sede desta entidade, à Rua Expedicionário Rodoval Cabral, 09, Centro, Natal-RN (Ao lado da Igreja do Galo), nos dias 03 e 06 de março de 2017 e , às 08 horas em 1ª convocação, ou às 8:30 horas, em 2ª e última convocação, a fim de deliberar sobre a seguinte ordem do dia: 1) pagamento do salário de fevereiro 2017. 2) as medidas a serem tomadas pela categoria, inclusive deliberar sobre indicativo de GREVE, por tempo indeterminado, até a regularização do pagamento dos salários.




Natal/RN, 02 de março 2017.




Sandoval Lopes



Presidente – SINDHOTELEIROS/RN.
Calculadora da aposentadoria demonstra que a classe trabalhadora será prejudicada se Reforma da Previdência passar no Congresso

Escrito por: CUT • Publicado em: 21/02/2017 - 16:48 • Última modificação: 23/02/2017 - 22:24

A CUT (Central Única dos Trabalhadores) lançou o “Aposentômetro”, uma calculadora para ajudar trabalhadores e trabalhadoras a descobrir com qual idade se aposentarão se for aprovada a Reforma da Previdência do governo ilegítimo de Michel Temer. Seu projeto quer aumentar a idade mínima para 65 anos, tanto para homens quanto para mulheres, do campo e da cidade; e quer aumentar o tempo de contribuição de 15 anos para 25 anos. Esse conjunto de medidas traria tantas dificuldades e restrições que a aposentadoria se tornaria inacessível para grande parte da classe trabalhadora..

Como disse o presidente da CUT, Vagner Freitas, "Temer não quer reformar a Previdência, quer acabar com a aposentadoria dos trabalhadores".

Com o mote “Reaja agora ou morra trabalhando”, a CUT deu inicio a um movimento que pretende tomar as ruas do país pela preservação da aposentadoria, um direito histórico da classe trabalhadora. O “Aposentômetro” é uma das ações que contribuirão para dar aos trabalhadores argumentos para combater essa reforma e foi elaborado pelo Dieese (Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos). E por falar em ocupar as ruas, temos atos marcados para os dias 8 - Dia Internacional da Mulher -; e, 15 de março - Dia Nacional de Paralisação Contra a Reforma da Previdência. A CUT (Central Única dos Trabalhadores) já está nas ruas, nos locais de trabalho, nas Câmaras Municipais e entidades de classe debatendo os prejuízos que esta reforma provoca, conscientizando a sociedade e convocando a população para a ir às ruas contra o fim da aposentadoria.

Utilizar a calculadora é muito fácil, basta informar: 
gênero, data de nascimento. e tempo de contribuição para o INSS.

O "Aposentômetro", a partir de suas informações, calcula quanto tempo você ainda tem de trabalho até a aposentadoria, conforme as regras atuais, e como seria se a Reforma da Previdência for aprovada pelo Congresso Nacional

Para acessar a calculadora,.clique aqui

FONTE: CUT

   O Sindicato dos Hoteleiros do Estado do RN, representado pelo seu assessor jurídico Roberto Amorim, saiu vencedor na Ação Coletiva que determinou o pagamento de adicional de insalubridade para os trabalhadores que exercem a função de CAMAREIRA e ASG.

   Deste modo, para que os trabalhadores possam receber os valores que tem direito, é necessário que compareça ao sindicato nas terças-feiras às 14:00h, de posse dos seguintes documentos:

  1. 1) Cópia da Carteira de Trabalho (página da foto, página da qualificação, página do contrato de trabalho com o MÁRCIO B. DE CARVALHO (HOTEL COSTA DO ATLÂNTICO);
  2. 2) 03 últimos contracheques (se houver);
  3. 3) Termo de Rescisão do Contrato (se houver).

   Terão direito a receber o adicional de insalubridade os trabalhadores que se encaixarem nos seguintes dados:
  • * Ter trabalhado para Empresa: MÁRCIO B. DE CARVALHO (HOTEL COSTA DO ATLÂNTICO);
  • * Ter trabalhado no período de: 23/07/2009 até os dias atuais
  • * Ter sido demitido após: 23/07/2012 até os dias atuais
  • * Ter exercido as funções de: ASG e CAMAREIRA.

   Para maiores informações, entrar em contato com o advogado do sindicato, Dr. Roberto Amorim (84) 9 9158-1411 (whatsapp) – roberto@ramorim.adv.br

.